Folhablu | O ano recém-findo


O ano recém-findo

Publicado em: 2015-10-24 05:30:20

Estimaria ler uma lição tanto quanto completa sobre o emprego de recém. Se pode ser corretamente usado solto, independente, o que equivale a dizer, sem estar ligado por hífen. Hugo, São Paulo (SP)

 

Regra básica: o termo recém vem sempre seguido de hífen + adjetivo. Entenda-se por adjetivo também o particípio (como findo, chegado, vindo, abandonado) usado adjetivamente.

 

Recém é uma redução de “recente” e significa “ocorrido há pouco”. Trata-se de um elemento de composição - não é (ou melhor, não era) palavra independente, daí a necessidade do hífen na formação do adjetivo:

 

  • São comoventes as juras de amor eterno dos recém-casados.

  • O distrito de Limeirinha foi recém-emancipado.

  • Pensão alimentícia e guarda de filhos são motivos de exaustivos conflitos para os recém-separados.

  • Todos os convênios recém-assinados contêm erro jurídico, devendo ser refeitos.

  • A secretaria apresentou o relatório do ano recém-findo.

  • Recém-chegada dos Estados Unidos, Marlete já quer voltar para lá.

  • No último culto, o pastor fez menção especial às pessoas recém-convertidas.

 

Entretanto, também se ouve muito um tipo de construção em que o termo recém fica solto, sem hífen, porque age como advérbio. Neste caso ele só modifica verbos no tempo pretérito. Por exemplo:

 

  • O namorado da Tilinha recém chegou. (Em vez de: é recém-chegado)

 

Ou também:

 

  • A mãe dela se separou recém.

  • Recém venderam a estância de gado.

  • Não vais encontrar Mercedes: ela recém saiu.

 

Dizem os dicionários que se trata de um regionalismo de Santa Catarina e Rio Grande do Sul. Sendo neste caso um termo de uso regional (mesmo que pessoas em outros estados falem assim), não se deve esperar que seja aceito em concursos, escritos oficiais e semelhantes. Em ocasiões formais, que devam passar pelo crivo de julgadores e revisores puristas, entre outros, é melhor expressar a mesma circunstância de outra maneira:

 

  • O namorado da Tilinha acaba de chegar.

  • A mãe dela se divorciou há pouco tempo.

  • A estância de gado foi vendida recentemente.

  • Não vais encontrar Mercedes: ela saiu agorinha mesmo.

 

Por Maria Tereza de Queiroz Piacentini

Diretora do Instituto Euclides da Cunha

 


Fale com a Folhablu

Fones: (47) 3232 7154 | 9138 4105
Redação: webmaster@folhablu.com.br
Comercial: comercial@folhablu.com.br
Financeiro: financeiro@folhablu.com.br
Skype: skype@folhablu.com.br

Blumenau – SC
Folhablu notícias e publicidade digital - Todos os direitos reservados
Proibida a reprodução total ou parcial