Folhablu | Que me devolvam meu coração rasgado e minhas vísceras rompidas


Que me devolvam meu coração rasgado e minhas vísceras rompidas

Publicado em: 2018-04-18 19:31:13

Já faz tanto tempo que o país começou a morrer, e eu com ele, que já não sei quando foi. Lembro do ano anterior, quando resolvemos ir ao Uruguai conhecer o Mujica no estreito espaço das férias coletivas de quase todo o mundo, o que significava sair no dia de Natal, e naquele ano, até o Natal, na cidade quente em que eu morava não viera o calor e não fora necessário ligar o ar-condicionado. O calor chegou exatamente no dia 25 de dezembro; quanto mais rodávamos em direção ao sul maior o calor ia ficando, assim aquele calor que só se desfez no final de março.

 

No verão seguinte o calor não se fez esperar: estava inteiramente presente desde o primeiro de novembro, e não havia ar condicionado que chegasse. Dei-me conta de que algo estava errado quando fui a uma lan house que havia perto da minha casa (onde também se tiravam xerox e outras coisas) e o dono, lá, xingava despudoradamente a Dilma, a presidenta que eu ajudara a eleger.

 

- Vaca! Nojenta! - e outros adjetivos do gênero dirigidos à nossa presidenta. Juro que até então estava inocente dos acontecimentos que começavam a dividir o Brasil em ódio, e muito surpresa, tentei defender a Dilma. O argumento do comerciante vizinho era a conta da luz: de pouco mais de cem reais no dezembro anterior, passara dos 500 reais no dezembro findo, e ele não instalara sequer uma tomadazinha nova. O homem era ódio puro, coisa assim para correr com a gente, e caí fora pensando na ignorância dele, que não prestava a menor atenção em como o ar-condicionado fora ligado mais cedo por conta do calor. Tanta gente não dá a mínima para a natureza, lembrei de gente que nem sabia de que lado o sol nascia... Não passava de um ignorante. E era. Não prestava atenção em nada, a não ser nos veículos de imprensa que lia e/ou assistia e estava ali, vociferando discurso decorado, destilando fel por todos os poros. Eu via muita televisão, na época, mas via a Telesur, através de uma antena parabólica que possuía, e tão envolvida estava com a América Latina que não tinha prestado atenção ao quintal de casa, quintal esse que agora é quintal do grande capitalismo internacional.

 

Comecei a me ligar através daquele ignorante, e naquele ano as coisas começaram a explodir. Primeiro, foram as passeatas. Como todo o mundo estava fazendo, na minha cidade também fizeram e eu fui ver - historiador tem alguns compromissos na vida. Levara meu cachorro junto e então subi num banco com ele no colo, com medo que o pisoteassem, tamanha era a multidão. Quinze mil pessoas desfilaram naquela noite, o que era uma imensidade de gente para uma cidade pequena, e eu fiquei atenta às suas reinvindicações. A maioria pedia pela federalização da universidade local e pela duplicação da BR-470 - na verdade, havia cartazes de todos os tipos, nada era definido, e não tenho lembrança de ter visto algum "Fora Dilma". Fiquei tranquila quando, dias depois, um ex-colega de serviço, que chegara a ser meu gerente, me encontrou na rua e me disse, extasiado:

 

- Pela primeira vez na vida estive numa passeata! Nossa, como me fez bem! - como se tratava de um sujeito que nunca soubera muito bem diferenciar a mão direita da mão esquerda, continuei tranquila.

 

Vieram os panelaços e tive que cortar do meu Facebook madame a quem admirava muito e que confessou publicamente como tinha ficado feliz por protestar. Santo Deus, o povo tinha ficado cego? Não sei se um pouco antes ou pouco depois a loira burra que trabalhava na loja da esquina teve passagem de avião paga para ir a São Paulo (ou ao Rio?) mandar a Dilma tomar no c. Era loira, burra e muito bonita, adequada àquele papel. Imagina se colocariam lá uma mulata, por exemplo. Berrou até ficar rouca.

 

Em algum momento a coisa tinha ficado grande demais e houve aquela noite dos horrores, onde fiquei quatro horas seguidas olhando para a televisão, incrédula, aquela noite em que o Bolsonaro homenageou o coronel Ustra. Tão parva fiquei com o que aconteceu naquela noite que acabei escrevendo, sobre ela, um texto chamado “Pétreos e pútridos”, que anda aí pelo Google.

 

Faz dois anos. E logo a seguir veio a noite no Senado, e os pétreos e pútridos se repetiram, e a Dilma caiu e começou o grande assalto ao nosso país, coisa hoje sobejamente sabida, e o assalto veio diretamente ao meu coração e à minha capacidade criativa, e em dois anos escrevi menos de vinte crônicas, eu que tinha uma vida de correr atrás do tempo para dar conta de escrever tudo o que estava sempre em ebulição dentro de mim. Nenhuma delas teve a coragem de abordar este pesadelo que estamos vivendo - tenho escrito sobre cachorrinhos, infância, coisas assim que como que me salvam da grande desgraça aonde estou enterrada, aonde o meu Brasil está enterrado, aonde tantas partes da América estão enterrados, e quando começou lá em Honduras, acho que em 2007 e eu estava (e estou) tão solidária com Honduras, quando pensaria que aconteceria conosco também? E o ódio, esse ódio espargido por todos os lados - céus, como se sobrevive a uma coisa assim? Até escrevi um livro aí no meio, que sai a público em poucos dias, com o sugestivo nome de No Tempo da Magia, nome bem adequado para quem não está suportando a realidade.

 

Eu quero a minha vida de volta, o meu coração de volta, a minha sensibilidade de volta, Sou uma pessoa rasgada, vísceras comidas pelo mal do entorno, e já não sei viver assim.

 

Por Urda Alice Klueger

Escritora, historiadora e doutora em geografia

 

 


Folhablu

Fones: (47) 3232 7154 | 99210 7635
Redação Brasil: webmaster@folhablu.com.br | Redação Santa Catarina: blumenau@folhablu.com.br | Comercial: comercial@folhablu.com.br | Financeiro: financeiro@folhablu.com.br
Skype: folhablu | WhatsApp: (47) 99210 7635
Blumenau - SC
Todos os direitos reservados