Folhablu | Preço de terreno aumentou 300% ao ser vendido para o MPSC


Preço de terreno aumentou 300% ao ser vendido para o MPSC

Publicado em: 2014-08-14 15:57:20

Os três corretores que realizaram a venda da nova sede do Ministério Público de Santa Catarina conversaram na quarta-feira, dia 6, com os membros da Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) que investiga uma compra feita pelo órgão. Os profissionais revelaram que o terreno negociado sofreu aumento de quase 300%.

 

Francisco de Campos Lemos, Roger Maisonave e Jucemar Bernardo Cabral explicaram detalhes da transação de R$ 123 milhões, sem licitação, feita entre o MPSC e a Becker Construção. Segundo o depoimento dos corretores, o terreno, na Rua Bocaiúva, no centro de Florianópolis, foi vendido em 2012 para a Becker Construção por R$ 10 milhões. Metade do valor seria pago em dinheiro e o restante em imóveis.

 

Cerca de um ano depois os mesmos corretores participaram novamente da venda, porém desta vez, ofertando o terreno com o prédio a ser construído pela Becker Construção para o Ministério Público de Santa Catarina. A negociação, que em 2012 foi de R$ 10 milhões, subiu quase 300% em 2013, com o terreno avaliado em R$ 38 milhões.

 

O mesmo terreno já havia sido oferecido por esses corretores ao MPSC em 2009, mas na época o órgão não mostrou interesse, pois desacordos entre os proprietários e também questões ambientais dificultavam a negociação. A área ficou disponível por anos, devido a estes empecilhos, e chegou a ser embargada pelo MPSC. Ainda sem a situação resolvida, o terreno foi vendido para a Becker Construção.

 

Os deputados Sargento Amauri Soares (PSol) e Edison Andrino (PMDB) questionaram a nebulosidade na venda e, posteriormente, a rapidez do desembaraço dos documentos para construção. Apesar de haver no local uma casa tombada e um córrego, a viabilidade do local dobrou de 10 mil metros quadrados para 20 mil metros quadrados. Até o momento nenhuma das pessoas ouvidas soube explicar de que modo aconteceu o fornecimento da documentação. Sem estas liberações o proprietário ficaria impedido de construir no local. "Não entendo como um empresário se arrisca em comprar um terreno sem ter as certidões. E me admira mais ainda o MPSC ter tido a oportunidade de adquirir o imóvel por um terço do preço e não ter feito", enumera Andrino. A questão também incomodou o deputado Jailson Lima (PT), relator da CPI. "É uma irracionalidade o preço desta construção. É uma irresponsabilidade o que o MPSC fez. Estou convencido da ilicitude desta transação", afirmou o parlamentar.

 

A comissão se reunirá novamente no dia 2 de setembro, às 17 horas. Na ocasião será ouvido o depoimento do ex-secretário de Meio Ambiente de Florianópolis Carlos Ferreira Rauen.

 


Fale com a Folhablu

Fones: (47) 3232 7154 | 9138 4105
Redação: webmaster@folhablu.com.br
Comercial: comercial@folhablu.com.br
Financeiro: financeiro@folhablu.com.br
Skype: skype@folhablu.com.br

Blumenau – SC
Folhablu notícias e publicidade digital - Todos os direitos reservados
Proibida a reprodução total ou parcial