Folhablu | Redução de juros do cartão é 'grande avanço', diz presidente da Comissão de Defesa do Consumidor


Redução de juros do cartão é 'grande avanço', diz presidente da Comissão de Defesa do Consumidor

Publicado em: 2016-12-24 03:03:20

O presidente da Comissão de Defesa do Consumidor da Câmara (CDC), deputado Marco Tebaldi PSDB-(SC), classificou de “um grande avanço” a redução dos juros do cartão de crédito na modalidade rotativo. Nesta quinta-feira, dia 22, o presidente Michel Temer anunciou mudanças no sistema de pagamento, fazendo com que no primeiro trimestre de 2017 haja uma queda de mais da metade dos juros.

 

Pela proposta do governo, as instituições financeiras poderão oferecer um prazo máximo de 30 dias no pagamento rotativo do cartão de crédito, transformando a operação automaticamente em crédito parcelado. No último dia 7, por iniciativa de Tebaldi, a CDC promoveu uma audiência pública para debater a regulamentação do limite máximo de juros no rotativo do cartão. Para o deputado, as atuais taxas são muito elevadas.

 

O parlamentar do PSDB acredita que a queda vai permitir combater outro problema: o superendividamento de milhares de famílias. “Diminuir os juros do cartão é um grande avanço e, na outra ponta, também contribui para que as famílias possam ter melhor condição de renovar financiamentos e, assim, quitar suas dívidas ou realizar novas compras”, afirmou.

 

Na audiência pública, os números exibidos pela Proteste mostraram que o Brasil lidera o ranking entre as maiores taxas de juros rotativos entre 108 cartões de 12 operadoras: em setembro o brasileiro pagou 436% do rotativo, na média anual. Em novembro, o percentual bateu recorde e chegou a 482,1%, informou o Banco Central nesta sexta-feira, dia 23. Segundo pesquisa feita pela Confederação Nacional do Comércio, 77% das dívidas das famílias são no cartão de crédito.

 

Essa redução dos juros faz parte das medidas microeconômicas anunciadas pela equipe econômica do governo Temer e são essenciais para a retomada do crescimento econômico do país. Outra ação de destaque é a liberação de saques de contas inativas do Fundo de Garantia do Tempo de Serviço (FGTS).

 

Na avaliação de deputados do PSDB, elas são muito bem-vindas e junto com ações de maior impacto, a exemplo das reformas administrativas, trabalhista e tributária, vão fazer o Brasil voltar a crescer e a prosperar. A expectativa do presidente Michel Temer é aquecer a economia brasileira com uma série de ações menores adotadas em paralelo com medidas de maior impacto, a exemplo da negociação das dívidas dos estados e o controle de gastos públicos.

 

“É preciso destravar a economia e medidas microeconômicas como essas são muito bem-vindas”, disse o deputado Luiz Carlos Hauly (PSDB-PR). Nesse caso, tanto a redução de juros do cartão quanto a retirada de dinheiro de contas que estão paradas vão aumentar a capacidade de compra dos consumidores.

 

Segundo Hauly, é essencial reduzir o nível de endividamento das famílias, de pessoas físicas e empresas a fim de destravar a economia. “Nós estamos travados, todo mundo devendo e esse dinheiro vai entrar na economia e aumentar a retomada do giro econômico”, afirma ele.

 

Com a decisão de liberar a retirada dos recursos das contas inativas do FGTS, cerca de R$ 30 bilhões serão injetados no mercado. O valor equivale a 0,5% do Produto Interno bruto (Pib). Cerca de 10 milhões de pessoas poderão fazer o saque.

 

“Nós temos mantido um diálogo sobre as reformas do estado brasileiro. Temer já fez muito nesse curto período e se ele fizer mais e conduzir as reformas que o Brasil precisa, com certeza fará com que o Brasil volte a crescer e prospere, gerando os empregos perdidos e recuperando a renda das famílias que foram perdidas nesses últimos anos do PT, Lula e Dilma”, concluiu Hauly.

 


Fale com a Folhablu

Fones: (47) 3232 7154 | 9138 4105
Redação: webmaster@folhablu.com.br
Comercial: comercial@folhablu.com.br
Financeiro: financeiro@folhablu.com.br
Skype: skype@folhablu.com.br

Blumenau – SC
Folhablu notícias e publicidade digital - Todos os direitos reservados
Proibida a reprodução total ou parcial