Folhablu | Lola: habilidade no campo e vida em sítio


Lola: habilidade no campo e vida em sítio

Publicado em: 2016-10-04 08:49:52

O ex-zagueiro Brito, tricampeão mundial pela seleção brasileira no México, tomou o drible mais estonteante na carreira de atleta quando defendia o Botafogo do Rio de Janeiro no dia 3 de outubro de 1973, portanto lá se vão 43 anos, naquele empate por 1 a 1 pelo Campeonato Brasileiro. Quem protagonizou dois dribles secos foi o então ponta-de-lança Lola, que jogava pelo Guarani, em partida noturna no Estádio Brinco de Ouro, em Campinas.

 

Ainda no primeiro tempo, no gol dos portões de entrada, Lola dominou a bola pela meia-esquerda, quase na entrada da grande área, arrancou em direção de Brito, aplicou-lhe um drible seco por dentro, e, incontinente, outro por fora. E Brito, pernas bambas, desequilibrado, parecia um pugilista grogue que saiu catando cavaco.

 

Lola desabrochou para o futebol no Atlético Mineiro, clube que defendeu de 1967 a 1973, e entrou para a história do Estádio do Mineirão por ter marcado o milésimo gol. Não fosse fratura exposta de tíbia e perônio num jogo contra o Santos, em 1971, teria participação mais ativa na conquista do Campeonato Brasileiro daquela temporada pelo Galo mineiro, num time formado por Renato; Humberto Monteiro, Grapete, Vantuir e Oldair; Vanderlei e Humberto Ramos; Ronaldo, Lola, Dario e Tião. O treinador era o saudoso Telê Santana, que sempre recebia rasgados elogios de Lola: “Ele parecia um pastor dedicado às suas ovelhas”, ou “o ouro maior daquele grupo era o Telê”.

 

Aquela final foi decidida num triangular, e de cara o São Paulo goleou o Botafogo por 4 a 1. Na segunda rodada, o Atlético ganhou do tricolor paulista por 1 a 0, e podia jogar pelo empate na terceira rodada contra o Botafogo, mas venceu por 1 a 0, gol de Dario.

 

Lola jogava muito. Logo, não devia ser considerado arrogante quando se autodenominava "meia-direita habilidoso", ou "meio-campo criador". A prática correspondia ao discurso. Certamente jamais poderia supor é que a partir da transferência ao Guarani se transformaria num nômade do futebol. Foram pouco mais de quatro anos no futebol mexicano defendendo América e Tigre, duas passagens pela Ponte Preta, Sport Recife, Inter de Limeira, Grêmio Maringá e Botafogo de Ribeirão Preto, onde encerrou a carreira de atleta e fixou residência num sítio paradisíaco, se ocupando no trato aos animais e a vegetação.

 

Paralelamente também desenvolve outras atividades, como a de professor universitário em faculdade de educação física, comentarista de futebol em rádio, e olheiro do Galo mineiro. E já não é visto com aquele vasto bigode tipo mexicano, característico dos tempos de atleta no passado. Em janeiro próximo, o senhor Raimundo José Correia vai comemorar 67 anos de idade.

 

Por Ariovaldo Izac

ariovaldo-izac@ig.com.br

 


Fale com a Folhablu

Fones: (47) 3232 7154 | 9138 4105
Redação: webmaster@folhablu.com.br
Comercial: comercial@folhablu.com.br
Financeiro: financeiro@folhablu.com.br
Skype: skype@folhablu.com.br

Blumenau – SC
Folhablu notícias e publicidade digital - Todos os direitos reservados
Proibida a reprodução total ou parcial