Folhablu | Lidu e Eduardo, vítimas de tragédia em 1969


Lidu e Eduardo, vítimas de tragédia em 1969

Publicado em: 2015-10-26 07:57:55

O saudoso narrador de futebol Fiori Gigliotti produzia um quadro imortalizado no rádio brasileiro intitulado Cantinho de Saudade, quando mergulhava na poesia para enaltecer jogadores do passado. Assim, não seria exagero se pinçasse frases bonitas de escritores para relatar as trágicas mortes do lateral-direito Lidu e ponteiro-esquerdo Eduardo, do Corinthians, em 1969, decorrentes de acidente de automóvel na capital paulista.

 

O Timão havia empatado com o São Bento por 1 a 1 no dia 27 de abril daquela temporada, no alçapão do extinto Estádio Humberto Reali, de Sorocaba, mando de jogos do time da casa até 1979. No retorno a São Paulo, Lidu, recém-habilitado como motorista, entrou em seu Fusquinha na área de estacionamento do Estádio Parque São Jorge e foi jantar, em companhia de Eduardo.

 

Diria Fiori que, quando vazava o seio negro da noite, ambos retornavam à residência pela Marginal Tietê, ocasião em que o veículo, desgovernado, capotou várias vezes, chocou-se contra pilastra da ponte da Vila Maria, matando-os. É possível que o narrador tenha acrescentado que Lidu morreu na flor dos anos, pois havia completado um mês antes 22 "primaveras", justamente quando a felicidade transbordava-lhe a alma como titular absoluto do Timão em 36 jogos.

 

À torcida corintiana enlutada, Fiori lembraria que a espada impiedosa da dor atravessou-lhe o coração. E descreveria Lidu, o Ludgero Pereira da Silva, como o moço que veio de Presidente Prudente, que no primeiro ano de Prudentina, em 1966, havia mostrado raça e firmeza na marcação, despertando interesse do Londrina, que o contratou. A chegada ao Corinthians deu-se no início de 1969.

 

Sobre Eduardo Neves, certamente Fiori enfeitou um pouco mais. Afinal, foi um ponteiro-esquerdo habilidoso que se destacou no América (RJ) em quatro temporadas a partir de 1964, e já no Corinthians foi convocado à seleção brasileira oito vezes. Não passou batido no relato de Fiori que Eduardo fez parte do time corintiano de 1968 que quebrou tabu de dez anos sobre o rival Santos, na vitória por 2 a 0 no Estádio do Pacaembu.

 

Aquele Corinthians de 1969, no Campeonato Paulista, já havia vencido Santos, São Paulo, Palmeiras e a então respeitada Portuguesa até a tragédia que vitimou os dois jogadores. Depois, a incerteza sobre os substitutos. Na lateral-direita foi improvisado o lateral-esquerdo Pedro Rodrigues, Alvacir e até o deslocamento do zagueiro Mendes. Na ponta-esquerda passaram Adnan, Reinaldo, Buião e o deslocamento do centroavante Benê.

 

Assim, do time base de Lula; Lidu, Ditão, Luís Carlos e Pedro Rodrigues; Dirceu Alves e Rivellino; Paulo, Tales, Benê e Eduardo ocorreram várias modificações e queda na classificação. Na época, o clube mandava jogos no Estádio Alfredo Schurig, conhecido como Parque São Jorge e Fazendinha.

 

Por Ariovaldo Izac

 


Fale com a Folhablu

Fones: (47) 3232 7154 | 9138 4105
Redação: webmaster@folhablu.com.br
Comercial: comercial@folhablu.com.br
Financeiro: financeiro@folhablu.com.br
Skype: skype@folhablu.com.br

Blumenau – SC
Folhablu notícias e publicidade digital - Todos os direitos reservados
Proibida a reprodução total ou parcial