Folhablu | Búfalo Gil fazia gols no peito e na raça


Búfalo Gil fazia gols no peito e na raça

Publicado em: 2013-11-29 02:04:13

Nas últimas três décadas o Corinthians contou com três atletas renomados com apelido de Gil, o mais recente, este "titularíssimo" quarto-zagueiro que forma dupla com Paulo André. Nos primeiros cinco anos do século 21, o time corintiano contou com o franzino, veloz e hábil ponteiro-esquerdo que infernizou adversários. Por fim, no ano de 1980, esteve no Timão o mais famoso dos três Gils, que paradoxalmente teve passagem tão efêmera quanto discreta no clube. Ele sequer se firmou como titular num período em que Vaguinho e Peter se revezaram na ponta-direita.

 

Mais famoso porque chegou ao Estádio do Parque São Jorge precedido da fama de atacante que decidia partidas por clubes do Rio de Janeiro. No bicampeonato carioca conquistado pelo Fluminense no biênio 1975/76, a jogada característica do time era lançamento do meia Roberto Rivellino para explorar a velocidade de Búfalo Gil, tão manjada quando decisiva.

 

O ponteiro Gil tinha caixa torácica avantajada e isso permitia que disputasse jogadas corpo a corpo com adversários. Assim, tanto era assistente de artilheiros como também fazia gols. Na passagem de pouco mais de três anos pelo Fluminense, a partir de 1973, marcou 75 gols em 172 jogos. E o brilho foi mantido após se transferir para o Botafogo, onde ficou até 1980, já exercendo as funções de ponta-de-lança ou centroavante.

 

Evidente que a seleção brasileira não podia prescindir de um atacante com as virtudes de Búfalo Gil e por isso ele começou a ser convocado a partir de 1976. O ciclo com a "amarelinha" foi encerrado dois anos depois, na Copa do Mundo da Argentina, quando foi titular no empate por 1 a 1 com a Suécia, na partida de estreia, com este time brasileiro: Leão; Toninho, Oscar, Amaral e Edinho; Batista, Rivellino e Zico; Búfalo Gil, Reinando e Toninho Cerezo.

 

Já com futebol decadente na década de 80, Búfalo Gil ainda passou por Corinthians, Coritiba, São Cristóvão, Múrcia, da Espanha, e Forense, de Portugal, onde encerrou a carreira de atleta em 1986. Ingressou na função de treinador com passagens por clubes do exterior e no Botafogo do Rio em 1992, ocasião em que não engoliu seco a ironia do então atacante Renato Gaúcho: “Olha aí o treinador que nunca jogou bola”, provocou o hoje comandante do elenco do Grêmio, desconhecendo o histórico vitorioso de Búfalo Gil.

 

Aí, prevaleceu o dito de que quem fala aquilo que quer ouve o que não quer. Eis a imediata resposta: “Como é que é? Joguei no Fluminense, Botafogo e disputei Copa do Mundo. E joguei muito mais do que você”.

 

Búfalo Gil ou Gilberto Alves - nome de registro - é mineiro de Nova Lima e completa 63 anos de idade na véspera do Natal. Ele quer continuar a carreira de treinador, após últimas e discretas passagens por Marília e Portuguesa Santista, entre 2008 e 2009. “O problema é que nunca tive empresário”.

 

Por Ariovaldo Izac

 


Fale com a Folhablu

Fones: (47) 3232 7154 | 9138 4105
Redação: webmaster@folhablu.com.br
Comercial: comercial@folhablu.com.br
Financeiro: financeiro@folhablu.com.br
Skype: skype@folhablu.com.br

Blumenau – SC
Folhablu notícias e publicidade digital - Todos os direitos reservados
Proibida a reprodução total ou parcial