Folhablu | Por que ainda precisamos falar sobre comunismo?


Por que ainda precisamos falar sobre comunismo?

Publicado em: 2018-04-09 02:47:07

 

 

 

 

 

 

Como bem observou o reitor da Universidade Positivo, comentarista econômico da Rádio CBN Curitiba e membro do conselho editorial da Gazeta do Povo, José Pio Martins, “os dois maiores resultados do comunismo sempre foram a escassez de produção e a abundância de sangue”.

 

Apesar dessas peculiaridades bastante conhecidas, algumas pessoas acreditam que o comunismo já foi discutido o suficiente, debatido o suficiente, chutado o suficiente, e que não apresenta mais risco algum. Tratam-no como um assunto enfadonho.

 

Não deveriam.

 

A mentalidade socialista-comunista encontra-se tão entranhada no raciocínio do brasileiro médio que não causa surpresa quando, ao menor sinal de problema, todos esperam por uma solução que venha do estado e não da soma da responsabilidade individual de cada um dos cidadãos.

 

Esta tal mentalidade “marxista” é essa voz reconfortante que sopra atrás da sua orelha dizendo que seus problemas não são seus exatamente, que existem forças ocultas trabalhando contra seu sucesso, e que o estado deveria financiar cada uma de suas ideias, cada um de seus desejos e cada um de seus confortos - pois todos estes são seus “direitos por lei”.

 

Parte desta tolerância confortável que temos com a mentalidade comunista talvez advenha da falta de percepção sobre o que o regime realmente é: uma fraude manipuladora genocida e atroz, com discursos digressivos absolutamente desconectados da realidade e um grau de falsidade que colocaria no chinelo embusteiros como Pinóquio, Victor Lustig (o homem que vendeu a Torre Eiffel), Frank Abagnale ou Marcelo Nascimento da Rocha.

 

Uma sucessão de falcatruas

 

Segundo Lênin, o comunismo “é a produtividade de operários voluntários, conscientes, unidos, dispondo de uma técnica de vanguarda; uma produtividade elevada em relação à produtividade do trabalho capitalista".

 

Cem anos depois, ainda estamos aguardando a tal “elevada produtividade voluntária comunista”: os cinco países comunistas que ainda existem no mundo (China, Coreia do Norte, Vietnã, Laos e Cuba) apresentam um Pib per capta médio equivalente a apenas 12% (sim, doze por cento) daquele dos cinco países mais capitalistas.

 

“A destruição da propriedade privada dos meios de produção e a libertação do trabalho de toda espécie de exploração são uma base firme para o desenvolvimento progressivo da moral comunista”, afirmou Viktor Nikolaevich Kolbanoski em A Moral Comunista (1947), completando: “Não há nada mais progressista, mais digno dos esforços humanos do que servir ao comunismo, que é o regime social mais avançado e o mais justo”.

 

Será?

 

Os países comunistas que ainda existem no mundo apresentam um IDH médio de 0,703, ao passo em que os países capitalistas, onde o livre mercado é mais forte, apresentam um IDH médio de 0,923.

 

Em outras palavras: o regime social “mais avançado e mais justo” produz sociedades com uma qualidade de vida 31% inferior àquela dos países onde reina o “maldito capitalismo canibalista egocêntrico”.

 

“A moral comunista exige que todas as manifestações de insensibilidade e de burocratismo sejam energicamente combatidas”, escreveu o teórico Kolbanoski. Mas existem governos mais burocráticos e insensíveis ao individualismo que os estados comunistas?

 

De acordo com o ranking de facilidade para fazer negócios, organizado pelo World Bank Group, o Vietnã é o país comunista com a melhor colocação na lista, ocupando a 68ª posição entre 190 países. A China fica em 78º e o Laos, em 141º. Coreia do Norte e Cuba sequer oferecem dados suficientes para determinar o índice.

 

Em termos comparativos, dos cinco países mais capitalistas do mundo, três (Nova Zelândia, Singapura e Hong Kong) estão entre os lugares menos burocráticos do mundo para se fazer negócios.

 

Quanto mais as evidências acumuladas demonstram a mentira e a falsidade interna da moral comunista, tanto mais sua linguagem oficial se torna hipócrita, na vã tentativa de ocultar sua sequência inacreditável de fraudes.

 

Disfarçado com peles de altruísmo consequencialista, o comunismo é mais arrogante, arbitrário e desonesto que qualquer forma de capitalismo jamais foi.

 

Uma catástrofe estranhamente tolerada

 

A maioria das pessoas torce o nariz quando vê uma bandeira nazista - e todos estão certos em agir desta forma. O nazismo matou 20 milhões de pessoas, incluindo judeus, ciganos, homossexuais, comunistas e indivíduos com deficiências físicas. Entretanto, quantas pessoas torcem o nariz da mesma maneira quando falamos de comunismo?

 

Rudolph Joseph Rummel, falecido professor emérito de ciência política e um dos mais aclamados especialistas mundiais em democídio, calculou que o comunismo matou 170 milhões de pessoas apenas no século 20.

 

Em seu livro Statistics of Democide: Genocide and Mass Murder Since 1900, publicado em 1998, Rummel afirma que todas as guerras ocorridas entre 1900 e 1987 custaram a vida de aproximadamente 34 milhões de pessoas - contabilizados aí os óbitos da Primeira e da Segunda Guerra Mundial, da Guerra da Coreia e das revoluções no México e na Rússia. Para efeito de comparação, Mao TseTung, por meio de seu regime, foi responsável por duas vezes mais mortes que todas estas guerras ajuntadas.

 

Ainda que o comunismo tenha ceifado a vida de dezenas de milhões de pessoas e ser completamente ineficiente na maioria dos indicadores em que se autoafirma “campeão”, ele é capaz de operar uma mágica e não ser considerado hediondo pelo consciente coletivo.

 

Com uma frequência assombrosa, o comunismo é ensinado nas escolas e nas faculdades como um sistema “teoricamente bom” (o nazismo era “teoricamente bom”?), não tendo obtido o merecido sucesso simplesmente por ter sido “mal executado”.

 

O comunismo não deveria ser motivo de risos sardônicos, gracejos, esperanças preguiçosas, idealizações românticas ou qualquer tipo de idolatria: ele deveria ser incriminado como uma catástrofe horrenda, como uma das maiores bestialidades que a humanidade já produziu e assistiu - e tratado agressiva e diligentemente de acordo com todos os seus espólios de maldade.

 

Pare de aliviar a barra para este monstro.

 

Por Alessandro Loiola

Médico, palestrante e escritor

 

 


Fale com a Folhablu

Fones: (47) 3232 7154 | 9138 4105
Redação: webmaster@folhablu.com.br
Comercial: comercial@folhablu.com.br
Financeiro: financeiro@folhablu.com.br
Skype: skype@folhablu.com.br

Blumenau – SC
Folhablu notícias e publicidade digital - Todos os direitos reservados
Proibida a reprodução total ou parcial