Folhablu | Aprendendo a dizer não


Aprendendo a dizer não

Publicado em: 2012-08-15 16:00:45

Tenho inúmeros pacientes cuja pressão elevada, insônia, distúrbio da ansiedade, depressão, compulsão alimentar ou obesidade foram causados pela incapacidade de dizerem não. Eles saem pela rua colocando sobre as costas toda e qualquer carga de responsabilidade que encontram pela frente. No final do dia, estão piores que o último bagaço de laranja do Ceasa, e ainda recebem críticas porque estão deixando o serviço atrasar...

Dizer não é essencial, mas o problema é que não recebemos treinamento específico para isso. As empresas, as universidades, os cursos pré-nupciais, em toda parte onde se ensina a fazer alguma coisa, ninguém ensina como não fazer. Contudo, existem ocasiões em que você simplesmente já tem tarefas demais, e ser capaz de dizer não pode ser a única forma de manter a sanidade física e mental.

Se você vive reclamando de desgaste e sobrecarga de trabalho, e só agora percebeu que é mais uma vítima dos que não sabem dizer não, recomendo o seguinte: faça uma lista das situações em que você gostaria de dizer não, mas não foi capaz de abandonar o sim. E escolha uma desculpa de acordo com sua personalidade a partir da lista abaixo.

O executivo

Ele diz não escapando pelo excesso de coisas por fazer: “O problema é que estou envolvido em outros projetos até 2096...” ou então “No momento (leia-se: até o dia em que você parar de pedir) não acredito que seja possível encaixar mais nada na agenda...”. Alguns ainda fecham com chave de ouro, tirando da pasta todo seu grau de excelência, dizendo “E além de tudo, tenho que manter aquela qualidade que você já conhece”.

O relações-públicas

De repente o sujeito é seu amigo, mas ainda assim... “Rapaz, prefiro recusar agora a fazer um serviço ruim e lhe prejudicar”. Ou “Até gostaria, o problema é que estou atolado em outro trabalho, sem tempo para nada”. Porém, um verdadeiro relações-públicas sempre dará um jeito de emendar a recusa com algo como: “Mas posso indicar alguém para ajudar se você quiser”. E lhe encaminhará para um executivo. Ou um pobre-coitado.

O pobre-coitado

Balance a cabeça de modo tristonho enquanto repete “Olha, infelizmente não me acho a pessoa mais indicada para esse serviço”, “Não tenho muita experiência no assunto” ou “Não é o meu forte”. Mas atenção: evite emendar as 3 desculpas em uma mesma frase. Não gaste de uma vez todos os seus trunfos! Dê respostas diferentes para cada vez que o outro insistir.

Se preferir, recuse fazendo uma massagem estilo drenagem linfática no ego do outro (“Tenho certeza de que você é capaz de fazer isso pelo menos 10 mil vezes melhor do que eu!”) ou chore um lamento hipocondríaco tipo “O médico recomendou que reservasse um tempo livre para cuidar da saúde, dedicar à família, descobrir meu verdadeiro eu, sabe como é...”.

Até eu fiquei com pena.

O prático

Algumas vezes, um simples e curto “não” é suficiente. Os especialistas em recursos humanos recomendam que você faça isso de modo claro, firme, porém cortês, deixando todas as portas abertas para um bom relacionamento no futuro. Depois, monte um curso bem caro para contar como foi que você conseguiu um milagre desses.

Por Alessandro Loiola

Médico


Fale com a Folhablu

Fones: (47) 3232 7154 | 9138 4105
Redação: webmaster@folhablu.com.br
Comercial: comercial@folhablu.com.br
Financeiro: financeiro@folhablu.com.br
Skype: skype@folhablu.com.br

Blumenau – SC
Folhablu notícias e publicidade digital - Todos os direitos reservados
Proibida a reprodução total ou parcial